Nossas ações

Néias se manifesta por justiça e em memória de Sandra Mara

No dia 18 de agosto foi julgado Alan Borges, feminicida de Sandra Mara Curti, sua ex-esposa na época. Sandra foi assassinada no dia 6 de julho de 2020 com mais de 20 facadas, na frente dos dois filhos, então com 8 e 12 anos.

Mais uma vez, um feminicídio ocorreu porque um homem não aceitou o fim do relacionamento com uma mulher. O Néias marcou sua posição em defesa das mulheres com ato presencial em frente ao Fórum Criminal.

O assassinato de Sandra foi analisado pelo Informe 4 do Néias. No documento, o coletivo apresenta informações e analisa importantes elementos do processo.

Acesse aqui.

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image
Carousel imageCarousel image

Néias recebe presidente do OGPL

Na manhã do dia 26 de junho, o Néias-Observatório de Feminicídios Londrina recebeu o convidado Roger Trigueiros, presidente do Observatório de Gestão Pública de Londrina (OGPL), para debater a importância da formalização de organizações sociais. Trigueiros expôs sua experiência como militante e à frente do OGPL, ressaltando os benefícios da formalização para o bom andamento das atividades e para que a organização angarie recursos e parcerias.

Demos mais um passo na construção do nosso coletivo, com formação e debate qualificado sobre o tema. Estamos gratas pelas trocas e aprendizados.


Ato marca julgamento do feminicídio de Márcia Aparecida dos Santos


No dia 25 de maio foi realizado o julgamento de Donizete Alves Pereira, acusado do feminicídio de Márcia Aparecida dos Santos, então sua esposa. Márcia foi morta com ferimentos de roçadeira no dia 1 de maio de 2015, em Tamarana, diante de dois filhos, de 9 e 11 anos na época. O Ministério Público denunciou Pereira por feminicídio e o Néias - Observatório de Feminicídios Londrina se mobilizou, com apoio da Frente Feminista, em um ato por justiça pelo crime.

Com cartazes, faixas, pétalas de rosa e a leitura de uma carta-manifesto, levamos a voz de Márcia à frente do Fórum da Comarca. Expomos nossa luta por um sistema de justiça que respeite a memória das vítimas e não seja condescendente com valores machistas que continuam a ceifar vidas femininas.

Carousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel imageCarousel image

Justiça por Néia, a semente do nosso Observatório

No dia 4 de fevereiro de 2021, a Frente Feminista de Londrina se uniu a outras mulheres feministas e a familiares de Cidnéia Aparecida Mariano da Costa para pedir justiça pela tentativa de feminicídio sofrida por ela. Néia, como era chamada, foi agredida e abandonada à beira da morte em uma estrada rural pelo então companheiro, com quem buscava romper a relação amigavelmente há dias. A falta de oxigenação causada pela asfixia provocaram danos irreparáveis em Néia, que acabou tetraplégica e presa a uma cama.

A vigília por justiça durou por todo o tempo do julgamento, que terminou com a condenação do agressor a 23 anos 4 meses. Nascia ali a "semente" do Néias-Observatório de Feminicídios Londrina. Mulheres participantes do ato viram a necessidade de levar informação sobre casos de feminicídios, tentados e consumados, à sociedade londrinense como forma de combater esse crime hediondo, levar conscientização e criar memória.

“Néia era uma mulher ativa, muito dinâmica, independente. Trabalhava, cuidava de suas filhas e filho e queria uma vida livre da violência que sofria do companheiro. Em uma mensagem de áudio que ela gravou para o réu na véspera do crime, ela dizia que só queria paz. Quando ele tentou matá-la e ela incrivelmente sobreviveu, sua vida foi praticamente reduzida ao sentido biológico do termo. Socialmente falando, esse feminicídio foi concluído”, disse Silvana Mariano, irmã da vítima, à época do julgamento.

Néia veio a falecer no mês de maio deste ano, dois anos após a agressão sofrida.

Para que não tenhamos mais "Néias". Para que as mulheres possam dirigir seus relacionamentos sem que isso signifique colocar suas vidas em risco. Para que sejamos livres!

Por nenhuma a menos!