Nossas ações

Néias promove evento sobre aplicabilidade da Lei do Feminicídio

Néias - Observatório de Feminicídios Londrina integra a campanha nacional 21 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher com a mesa redonda “Feminicídio em Pauta: Aplicabilidade da Lei No.13.104/2015”.

O evento será no dia 30 de novembro às 19 horas no auditório do Sesc Londrina Centro. O objetivo é promover um debate sobre a Lei do Feminicídio na tentativa de ampliar o entendimento sobre sua aplicabilidade no contexto londrinense. 

Na mesa estarão a psicóloga jurídica e docente Cintia Helena dos Santos, a juíza de direito Gabriela Borri e o promotor de justiça da Vara Maria da Penha, Ronaldo Braga. A entrada é gratuita e não há necessidade de inscrição prévia. 

Inciso II da Lei de Feminicídio

Um dos pontos a ser destacado no debate é a aplicação do Inciso II da Lei do Feminicídio, que enquadra nesta categoria os crimes de ódio relacionados à condição de mulher, independentemente de relacionamento afetivo prévio entre vítima e agressor. 

Desde que iniciou seus trabalhos, em 2021, Néias-Observatório de Feminicídios acompanhou, até meados de 2023, treze casos não denunciados como feminicídios (tentados ou consumados) na Comarca de Londrina. Nove deles ocorreram antes da promulgação da lei; outros quatro são posteriores e, para Néias, apresentam características condizentes com a classificação pela qualificadora.

Entre os casos, há duas  situações de transfeminicídio que foram denunciadas como homicídio simples e homicídio tentado simples; um caso de mulher em exercício de ocupação estigmatizada (prostituição) que foi denunciado como tentativa de homicídio qualificado por meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima, mas que, para Néias, configura tentativa de feminicídio; e um caso denunciado como tentativa de homicídio por motivo torpe que, para o Observatório, deveria ter sido interpretado como lesbofeminicídio tentado. 

 Ataque feminicida em Londrina

Em caso mais recente, ainda sem data para julgamento, a Polícia Civil indiciou o autor de um ataque feminicida contra três estudantes da UEL por tentativa de feminicídio contra a vítima sobrevivente. No entanto, dias depois, veio a público que o Ministério Público não teve a mesma leitura e classificou o atentado como tentativa de homicídio qualificado. 

Néias entende que a não classificação como feminicídio neste caso, no qual o depoimento da sobrevivente deixa clara a perseguição por parte do agressor, iniciada após tentativas frustradas de envolvimento amoroso com a mesma, em nada contribui - pelo contrário, dificulta - a mudança social esperada para o entendimento da violência de gênero.

Nomear feminicídio faz-se necessário para o entendimento social sobre o fenômeno, que vitima meninas e mulheres em diferentes contextos. Com a mesa redonda, Néias espera contribuir para esse entendimento ampliado, de forma que se reflita na aplicabilidade em Londrina.

Local: Auditório do Sesc Centro

Data: 30 de novembro

Horário: 19h

Entrada gratuita

Néias participa da oficina Ativismo de Dados Contra o Feminicídio no Brasil.


Na última quinta-feira, 17 de agosto, aconteceu a oficina Ativismo de Dados contra o Feminicídio no Brasil, que reuniu cerca de 170 participantes de 37 países, de forma on-line. O evento foi promovido pelo Data + Feminism Lab, do MIT, como parte do projeto Dados Contra o Feminicídio, desenvolvido em parceria com organizações brasileiras.

Além de Néias, representado pela jornalista @cecilia_franca , participaram do desenvolvimento das ferramentas digitais para coleta de dados sobre feminicídios as ativistas Maria Eunice Kalil, do Grupo de Trabalho sobre o Feminicidio da Bahia; Rose Marques, do Fórum Cearense de Mulheres; Silvana Mariano, do Laboratório de Estudos de Feminicídio (LESFEM), vinculado à UEL, e uma das fundadoras de Néias; Télia Negrão e Thaís Siqueira, do Coletivo Feminismo Plural - Lupa Feminista (Rio Grande do Sul).

Dados Contra o Feminicídio é uma colaboração entre Catherine D’Ignazio (Data + Feminism Lab @ MIT), Silvana Fumega (ILDA) e Helena Suárez Val (Feminicidio Uruguay), que se uniram por meio de um interesse comum em dados de feminicídio. 

Em 2021, Néias e as demais organizações foram convidadas a integrar o projeto de desenvolvimento do sistema de buscas, desenvolvido por meio de leitura e categorização de notícias de feminicídios veiculadas pela imprensa. Após, no início de 2023, participamos do piloto do projeto, ou seja, o teste da ferramenta lançada ontem.

"A ferramenta de busca desenvolvida pelo projeto permitiu que a gente tenha mais segurança nos dados locais apurados e até possamos pensar em ampliar nosso monitoramento para todo o Estado", diz Cecília.

Quem quiser conhecer e utilizar a ferramenta do Data + Feminism pode acessar o site aqui


Evento realizado em parceria com:

@lesfem.br

@forumcearensedemulheres

www.lupafeminista.org.br

Evento conjunto Néias e LESFEM da Universidade Estadual de Londrina Discute Medidas Protetivas Contra Feminicídios no Paraná.


Promovido em parceria com o Laboratório de Estudos de Feminicídios (LESFEM) da Universidade Estadual de Londrina e por Néias – Observatório de Feminicídios Londrina, com o respaldo do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná e o apoio da Especialização em Língua Portuguesa – UEL, o evento abordou a temática "Feminicídios no Paraná: visibilidade e enfrentamento", concentrando-se na análise das medidas protetivas contra os casos de feminicídio ocorridos no estado.


Na manhã de 28 de julho de 2023, uma atividade marcou o Dia Estadual de Combate ao Feminicídio no Paraná, que ocorreu em 22 de julho. Essa data foi escolhida para lembrar o feminicídio da advogada Tatiane Spitzner, de Guarapuava, que aconteceu em 2018. Ela representa a luta contra a violência de gênero e busca chamar a atenção para casos de violência doméstica que resultam em crimes graves contra mulheres. O objetivo é destacar a importância desse assunto e aumentar a conscientização sobre a discriminação e violência que muitas mulheres enfrentam.

Néias participa do evento: "Agosto Lilás na Campanha Municipal pelo Fim da Violência contra as Mulheres".

No dia 2 de agosto de 2023, realizou-se um encontro importante em Londrina. A Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Câmara Municipal se reuniu para discutir o "Agosto Lilás na Campanha Municipal pelo Fim da Violência contra as Mulheres".

Marina Stuchi, do Néias Observatório de Feminicídios Londrina, trouxe valiosas contribuições para a discussão. Ao lado de líderes locais e especialistas, foram abordadas políticas públicas, envolvendo áreas como saúde, igualdade racial e assistência social.

O evento ressaltou a importância da união para combater a violência de gênero. 

Néias participa do evento: Feminicídio em Londrina dados e reflexões 


O evento realizado em comemoração ao Dia Municipal e Estadual de Combate ao Feminicídio, promovido pela Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres. No dia 21 de julho de 2023, unimos forças para um dia significativo de conscientização e mobilização em prol dos direitos e da segurança das mulheres.

Contamos com a valiosa participação de Marina Stuchi e Amanda Marcondes, ativistas de Néias - Observatório de Feminicídios Londrina, cujo trabalho vem se destacando na luta contra a violência de gênero. Além disso, a ilustre participação de Silvana Mariano, fundadora do LESFEM (Laboratório de Estudos de Feminicídios), enriquecendo ainda mais as discussões e a busca por soluções efetivas.

Agradecemos a todos que se fizeram presentes nesse importante evento e reafirmamos nosso compromisso de continuar lutando incansavelmente contra a violência de gênero. Juntos, podemos construir um futuro mais justo e digno para todas as mulheres de Londrina e além.

Evento comemorativo de 2 anos de Néias

Em 26 de abril de 2023 celebramos o segundo aniversário de atividade do Néias-Observatório de Feminicídios Londrina. Esse evento marco na história da cidade tem sido construído com dedicação e determinação, impulsionado pelo desejo de fazer a diferença na vida das mulheres, de todas as mulheres.

Ao longo desses dois anos, o Observatório tem se dedicado incansavelmente ao acompanhamento e divulgação dos julgamentos de feminicídios tentados e consumados na Comarca de Londrina. A cada um dos quase 30 júris acompanhados, a equipe do Néias tem sido profundamente comovida, revoltada e solidária com as mulheres e famílias que foram enlutadas por essa terrível realidade.

Por meio de seus esforços, o Néias busca conscientizar a sociedade sobre as graves consequências dos feminicídios e, mais do que isso, cobra dos sistemas protetivo e judicial medidas eficazes de proteção e reparação para as vítimas. A organização tem atuado como uma voz poderosa, lutando incansavelmente pela justiça e pela erradicação dessa violência que assombra tantas mulheres.

Que esse evento de comemoração seja apenas um marco inicial para uma trajetória ainda mais longa e significativa na construção de uma sociedade mais segura, igualitária e justa para todas as mulheres. Parabéns, Néias!

Néias participa do evento: Feminicídio uma abordagem de gênero e persecução penal.


O evento realizado pela Faculdades Londrina, ocorreu no dia 29 de março de 2023. Com a participação da antropóloga Martha Ramírez, integrante de Néias e o promotor de justiça Justiça Ronaldo Costa Braga.

O objetivo primordial do evento foi aprofundar as discussões sobre: o feminicídio e suas questões jurídicas. Por meio de palestras, debates e troca de experiências, os participantes puderam analisar e compreender a complexidade desse grave problema social, além de refletir sobre as melhores abordagens para prevenção e combate a essa forma de violência contra a mulher.

Néias, por sua vez, expressa sua profunda gratidão pelo convite e pela oportunidade de compartilhar seus conhecimentos e perspectivas nesse importante espaço de formação acadêmica e profissional. A união de esforços em eventos como este é fundamental para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária, onde a violência de gênero seja efetivamente combatida e erradicada.

Néias participa do evento "Elas fazem acontecer" em Rolândia (PR)

No dia 21 de março de 2023,  Néias - Observatório de Feminicídios de Londrina participou de um evento promovido pela empresa Mídia Pontual, juntamente com o JR - Um Jornal Regional e outras empresas parceiras da campanha "Elas Fazem Acontecer". O evento teve como objetivo promover ações especiais durante o mês da mulher.

Durante a roda de conversa, ministrada pelas integrantes de Néias - Carolina Avansini, jornalista e assessora de imprensa, e Cecília França, jornalista da Rede Lume - foi discutido o tema "Como a linguagem pode ajudar a combater a violência de gênero?". Carolina e Cecília trabalham incansavelmente em Néias para mudar o vocabulário jornalístico utilizado de forma errônea. Como por exemplo a utilização do  termo "crime passional". Néias acredita que propagar esse tipo de linguagem minimiza a gravidade do crime de feminicídio e reforça a ideia equivocada de que o amor pode levar à morte.

Néias Observatório de Feminicídios de Londrina agradece imensamente pelo convite e a presença de todos na roda de conversa.

#NenhumaAmenos

#QuemAmaNãoMata

Néias se manifesta em memória das vítimas de feminicídio infantil e por Sara Manuele Silva 

Ato realizado em 07 de março de 2023 em frente a comarca de Londrina. Em memória das vítimas de feminicídio infantil e por Sara Manuele Silva que teve sua vida ceifada em 20/07/2019.

O ato idealizado por Amanda Marcondes, integrante de Néias, "Se essa rua fosse minha: ato pela vida das meninas, mulheres e crianças lgbtqia+”. Busca representar o caminho percorrido na vida de uma criança, direito do qual foi roubado de Sara.

Esperamos que de alguma forma esse caso possa sensibilizar a sociedade e o Estado para que juntos pensem e elaborem pesquisas e estratégias para combater os crimes contra meninas e meninos no Brasil.

Para mais informações sobre o caso de Sara acesse aqui.

Assembleia de constituição de Néias


 Um episódio marcante, em 02 de março de 2023, Néias - Observatório de Feminicídios Londrina se constituiu oficialmente  como uma instituição voltada para a causa da sociedade civil. Nossa missão é amplificar os casos de feminicídio consumado e tentado, que são julgados no Tribunal do Júri da Comarca de Londrina, e também empreender ações preventivas para combater a violência contra mulheres.

Nosso objetivo primordial é conceder voz às Néias que foram atingidas por essa cruel forma de violência feminina. Através de informações e análises fundamentadas, aspiramos contribuir de forma significativa para o enfrentamento desse grave problema social, buscando ativamente a redução dos casos de feminicídio.

Néias se manifesta por justiça e em memória de Sandra Mara 

No dia 18 de agosto foi julgado Alan Borges, feminicida de Sandra Mara Curti, sua ex-esposa na época. Sandra foi assassinada no dia 6 de julho de 2020 com mais de 20 facadas, na frente dos dois filhos, então com 8 e 12 anos.

Mais uma vez, um feminicídio ocorreu porque um homem não aceitou o fim do relacionamento com uma mulher. O Néias marcou sua posição em defesa das mulheres com ato presencial em frente ao Fórum Criminal.

O assassinato de Sandra foi analisado pelo Informe 4 do Néias. No documento, o coletivo apresenta informações e analisa importantes elementos do processo.

Acesse aqui.

Néias recebe presidente do OGPL

Na manhã do dia 26 de junho, o Néias-Observatório de Feminicídios Londrina recebeu o convidado Roger Trigueiros, presidente do Observatório de Gestão Pública de Londrina (OGPL), para debater a importância da formalização de organizações sociais. Trigueiros expôs sua experiência como militante e à frente do OGPL, ressaltando os benefícios da formalização para o bom andamento das atividades e para que a organização angarie recursos e parcerias.  

Demos mais um passo na construção do nosso coletivo, com formação e debate qualificado sobre o tema. Estamos gratas pelas trocas e aprendizados.


Ato marca julgamento do feminicídio de Márcia Aparecida dos Santos


No dia 25 de maio foi realizado o julgamento de Donizete Alves Pereira, acusado do feminicídio de Márcia Aparecida dos Santos, então sua esposa. Márcia foi morta com ferimentos de roçadeira no dia 1 de maio de 2015, em Tamarana, diante de dois filhos, de 9 e 11 anos na época. O Ministério Público denunciou Pereira por feminicídio e o Néias - Observatório de Feminicídios Londrina se mobilizou, com apoio da Frente Feminista, em um ato por justiça pelo crime.

Com cartazes, faixas, pétalas de rosa e a leitura de uma carta-manifesto, levamos a voz de Márcia à frente do Fórum da Comarca. Expomos nossa luta por um sistema de justiça que respeite a memória das vítimas e não seja condescendente com valores machistas que continuam a ceifar vidas femininas.

Justiça por Néia, a semente do nosso Observatório

No dia 4 de fevereiro de 2021, a Frente Feminista de Londrina se uniu a outras mulheres feministas e a familiares de Cidnéia Aparecida Mariano da Costa para pedir justiça pela tentativa de feminicídio sofrida por ela. Néia, como era chamada, foi agredida e abandonada à beira da morte em uma estrada rural pelo então companheiro, com quem buscava romper a relação amigavelmente há dias. A falta de oxigenação causada pela asfixia provocaram danos irreparáveis em Néia, que acabou tetraplégica e presa a uma cama. 

A vigília por justiça durou por todo o tempo do julgamento, que terminou com a condenação do agressor a 23 anos 4 meses. Nascia ali a "semente" do Néias-Observatório de Feminicídios Londrina. Mulheres participantes do ato viram a necessidade de levar informação sobre casos de feminicídios, tentados e consumados, à sociedade londrinense como forma de combater esse crime hediondo, levar conscientização e criar memória.     

“Néia era uma mulher ativa, muito dinâmica, independente. Trabalhava, cuidava de suas filhas e filho e queria uma vida livre da violência que sofria do companheiro. Em uma mensagem de áudio que ela gravou para o réu na véspera do crime, ela dizia que só queria paz. Quando ele tentou matá-la e ela incrivelmente sobreviveu, sua vida foi praticamente reduzida ao sentido biológico do termo. Socialmente falando, esse feminicídio foi concluído”, disse Silvana Mariano, irmã da vítima, à época do julgamento.

Néia veio a falecer no mês de maio deste ano, dois anos após a agressão sofrida.

Para que não tenhamos mais "Néias". Para que as mulheres possam dirigir seus relacionamentos sem que isso signifique colocar suas vidas em risco. Para que sejamos livres!

Por nenhuma a menos!