MEMORIAL LONDRINA

FEMINICÍDIOS

Registro dos feminicídios consumados e tentados na Comarca de Londrina desde 2015.


2022

19 de fevereiro de 2022 – H., 20 anos

H., de 20 anos de idade, encontrava-se em casa, em Londrina, na companhia de seu bebê (6 meses de idade), seu namorado e sua mãe, quando recebeu a visita de seu ex-namorado, Saulo de Tarso Santos Júnior, de 39 anos. Câmera de vigilância na vizinhança registrou quando Saulo apontou a arma de fogo para o atual namorado de H; ele fugiu; Saulo voltou-se para H. e desferiu vários tiros. Com H. já caída ao chão, ele a golpeou com chutes, pegou o bebê e fugiu do local. Momentos após, com a presença da polícia no local, Saulo retornou à cena, entrou em confronto com a polícia e foi atingido por vários tiros. Levados a hospitais, H. e Saulo sobreviveram. O bebê foi recuperado. Um vizinho foi atingido por tiro de raspão no pé.

21 de fevereiro de 2022 – Aldineia Florentino, 36 anos

Após recusar investida sexual de seu marido, Aldineia foi ameaçada e atacada com uma faca de cozinha. Ela sofreu golpes no dorso, no pescoço e na cabeça. Ela foi socorrida em sua casa, no Jardim Sabará, zona Oeste de Londrina, e ficou fora de risco de morte. O autor da violência foi preso em flagrante no local do crime.

05 de abril de 2022 – Ligia Fernandes Silva, 44 anos

Lígia foi assassinada a tiros em seu local de trabalho, no refeitório da Paróquia São Luiz Gonzaga, zona Leste de Londrina. Ela registrou Boletim de Ocorrência contra seu ex-marido, que não aceitava a separação. Após fugir do local, Everton Schafer foi preso no interior do estado de São Paulo e confessou o crime. Ele foi denunciado pelo Ministério Público do Paraná por homicídio cinco vezes qualificado: feminicídio, motivo torpe, emprego de meio cruel, uso de recurso que dificultou a defesa da vítima e uso de arma de fogo de uso restrito e proibido.

2021

14 de janeiro de 2021 Kelly Denise da Silva, 36 anos

André Elias Generoso Duarte, de 24 anos, foi preso na tarde de 14 de janeiro por tentativa de feminicídio de uma moradora da zona norte de Londrina, Kelly. A mulher foi algemada e teve o corpo retalhado com um canivete. Vizinhas ouviram os gritos e acionaram a polícia. O autor do crime chegou a fugir do local, mas foi encontrado na região e preso em flagrante. Duarte foi acusado pelo crime de homicídio tentado com três qualificadores: condição da vítima ser mulher (feminicídio), impedimento de defesa da vítima e tortura. O julgamento de André pelo Tribunal do Júri aconteceu no dia 14 de junho de 2022, quando ele foi condenado por tentativa de homicídio, com duas qualificadoras, exceto a de feminicídio. André recebeu a pena de 9 anos e 6 meses de reclusão. Mais detalhes deste caso, incluindo processo criminal e julgamento, estão no Informe n.14, disponível na íntegra aqui.


10 de abril de 2021Cristiane Nascimento dos Santos, 37 anos

Conforme relato da imprensa, Cristiane Nascimento foi encontrada morta dentro de sua residência no jardim Maracanã, nos fundos da Universidade Estadual de Londrina (UEL). Seu então companheiro, João Ezequias Martins Filho, é o principal suspeito do crime e encontra-se preso. Ele nega as acusações, mas vizinhos contaram ter ouvido gritos de uma suposta discussão na residência.


27 de abril de 2021 Lucimara Fernandes Krassouski, 27 anos

O crime aconteceu quando Lucimara retornava de Londrina, junto com o padrasto, onde havia registrado novo boletim de ocorrência contra o ex-marido por descumprimento de medida protetiva. Alessandro Gean Nunes Vieira parou ao lado do carro ocupado por ela e fez quatro disparos de arma de fogo, atingindo a vítima no rosto. Lucimara foi internada e o ex-marido segue foragido. Ele foi indiciado por tentativa de feminicídio.


28 de abril de 2021 – Ângela Galeza Batista, 39 anos

Ângela foi brutalmente agredida por seu companheiro após desentendimentos sobre a partilha de uma cachaça. O casal encontrava-se às margens da BR 369, em Londrina, e Ângela conseguiu atravessar a rodovia para pedir socorro do outro lado, na Vila Marízia. Ela foi espancada com chutes e socos, teve os dentes quebrados e graves ferimentos na região da cabeça. Socorrida por vizinhos, Ângela foi atendida pelo SIATE e encaminhada ao Hospital Evangélico de Londrina.


15 de setembro de 2021 – Aliny Ribeiro, 22 anos

Após um relacionamento de 2 anos, Aliny se separou de Evaristo Jordão, então com 36 anos de idade. No início ele concordou com a separação e depois passou a perseguir Aliny com a tentativa de reatar o relacionamento. Nesse dia 15 de setembro de 2021, ao voltar para casa, Aliny percebeu a aproximação de Evaristo e conseguiu trancar a porta da frente, de vidro. Com chutes e socos ele conseguiu quebrar a porta e atacar Aliny. Ela foi brutalmente espancada sob a declaração: “eu vou te matar; eu vou te matar”. Aliny também foi estuprada e teve o rosto desfigurado. Vizinhos que escutaram a violência chamaram a polícia, mas Evaristo já tinha fugido do local.

25 de setembro de 2021 – Paula Cristina Javari, 38 anos

Na tarde de um sábado, Paula foi esfaqueada com o uso de um punhal em uma violência noticiada como “crime passional”. O crime aconteceu no Jardim Nova Esperança, zona sul de Londrina. Paula foi atendida pelo SIATE e pelo SAMU e, após, encaminhada à Santa Casa de Londrina. A polícia esteve no local do crime e investiga o caso.

21 de dezembro de 2021 – M.

M. encontrava-se grávida de 2 meses. Naquele domingo, seu companheiro, Jean Donizete da Silva, estava agressivo, quebrou toda a casa e ameaçou M. Ela chamou a polícia e ele foi embora. A polícia compareceu à casa dela, no Jardim União da Vitória, zona sul de Londrina, não o encontrou e deixou o local. Jean voltou após a saída da polícia, M. chamou novamente a polícia e ele foi preso. Horas depois, pensando estar tranquila em casa, M. foi surpreendida por Jean que a atacou com um garfo de churrasco, golpeando-a várias vezes em regiões fatais, como cabeça, abdômen e pescoço. M. sobreviveu por circunstâncias alheias à vontade de Jean.


2020

21 de fevereiro de 2020 Fátima Soares, 47 anos

O corpo de Fátima Soares, 47, foi encontrado na manhã do dia 21 de fevereiro próximo à Penitenciária Estadual de Londrina (PEL II) com sinais de esfaqueamento em várias partes do corpo, principalmente na cabeça e no rosto, que foi desfigurado pelo criminoso. Testemunhas afirmaram ter ouvido gritos durante a madrugada e, pela manhã, encontraram o corpo em um terreno vazio que é utilizado para armazenamento de materiais recicláveis. O marido da vítima encontrava-se desaparecido no dia do crime.


2 de março de 2020 Maria Gorete, 47 anos

Maria Gorete, de 47 anos, foi vítima de tentativa de feminicídio ao ser esfaqueada pelo ex-marido, Dilson Marques de Jesus, enquanto ia para o trabalho, na rua Martin Luther King, Jardim Petrópolis. O homem desferiu dois golpes de faca, no braço e pescoço da mulher. Segundo os poucos registros do caso na imprensa escrita, o casal estava separado e o homem não aceitava o fim do relacionamento. Gorete tinha, inclusive, medida protetiva com ele. Após o crime, Jesus fugiu e foi preso dois dias depois, tendo a prisão preventiva decretada. (Veja Informe n.6)


6 de julho de 2020 Sandra Mara Curti, 43 anos

Sandra Mara Curti foi morta dentro de casa, na rua Angelina Tardivo Sisti, no bairro Cervejaria, zona leste de Londrina, pelo ex-companheiro, Alan Borges, com 22 facadas desferidas na frente dos filhos do casal, de 8 e 12 anos. Dois dias antes do crime brutal, Sandra teve um pedido de medida protetiva negado pelo juiz substituto João Marcos Anacleto Rosa, que desconsiderou a palavra da vítima como prova da perseguição que sofria por parte de Borges. Ele será julgado por feminicídio com três qualificadoras: recurso que dificultou a defesa, motivo fútil e meio cruel, ainda sem data prevista. (Veja Informe n.4)


12 de julho de 2020 Aline Souza Oliveira, 19 anos

Aline Souza Oliveira, então uma moça com 19 anos de idade, vivia em uma casa, no Jardim União da Vitória, em Londrina, com seu companheiro, Bruno Eduardo da Silva, de 24 anos de idade à época. O casal se relacionava há aproximadamente 5 anos, tinha um filho de 2 anos e estavam vivendo juntos há aproximadamente seis meses. O relacionamento foi marcado por violências psicológicas e físicas. No dia 12 de julho de 2020, após conflitos domésticos sobre um chuveiro sem funcionamento há dias, Aline sentiu-se em risco e tentou planejar um meio de deixar a casa com seu filho. Nessa dinâmica, ela foi ameaçada por Bruno com uma faca e, num segundo ato, quando ela tentou correr para buscar ajuda, foi derrubada ao chão com uma rasteira e chutada. Aline alegou, no Tribunal no Júri, que nesse momento foi novamente ameaçada com a faca e que, na sua avaliação, Bruno tentou matá-la e foi impedido por terceiros. Bruno foi levado a julgamento no Tribunal do Júri de Londrina no dia 27 de abril de 2022, respondendo pelas acusações de tentativa de feminicídio por motivo torpe e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima, na presença do filho do casal, e acusações de ameaças. O resultado do julgamento foi a desclassificação do crime de feminicídio tentado para lesão corporal, com pena de 9 meses e um dia de reclusão, mais 36 dias de multa, e reparação por danos morais no valor mínimo de R$3.000,00 (três mil reais). O caso de Aline foi analisado por Néias no Informe n.12.


04 de outubro de 2020 Josiane Cristina Souza (25 anos) e Maria Cristina Jacinto da Silva (52 anos)

Josiane e sua mãe, Maria Cristina, foram vítimas de tentativa de feminicídio por Licélio da Silva Lúcio. No dia do crime, Licélio rompeu a tornozeleira eletrônica e também desrespeitou a Medida Protetiva de Urgência. Ele foi até a casa das vítimas e entrou repentinamente, de posse de uma faca, que usou para atacar a ex-esposa e a ex-sogra, na presença de sua filha de 07 anos de idade. Socorridas por terceiros, as vítimas sobreviveram. O julgamento de Lucélio pelo Tribunal do Júri de Londrina foi realizado no dia 21 de junho de 2022. O Ministério Público denunciou o acusado por dois crimes de tentativa de feminicídio, um contra Josiane e outro contra Maria Cristina, ambos com as qualificadoras de motivo torpe e de meio que impossibilitou a defesa das vítimas. A acusação também pediu aumento de pena, em caso de condenação, porque o crime foi praticado na presença da filha do ex-casal e em descumprimento das medidas protetivas de urgência. Licélio foi condenado por tentativa de feminicídio contra Josiane e tentativa de homicídio contra Maria Cristina e recebeu a pena total de 26 anos, 7 meses e 10 dias de reclusão, com início de cumprimento da pena em regime fechado. Detalhes deste processo e deste julgamento estão relatados no Informe n.15 (disponível aqui).

2019

2 de fevereiro de 2019 Elaine Cristina de Brito, 44 anos

Na manhã de 2 de fevereiro de 2019, Elaine foi encontrada morta na casa que habitava com Marcos José Bisterso, na zona Norte de Londrina. Com base nas investigações do processo, Elaine teria sofrido estrangulamento, resultando em asfixia mecânica. O crime teria sido praticado por seu convivente, Marcos, com o uso de uma corda. Ainda de acordo com as investigações, ele teria alterado a cena do crime com o intuito de simular o suicídio de Elaine por enforcamento. Equipes de socorro e policiais foram chamadas ao local por vizinhos. Marcos foi julgado no dia 17 de março de 2022 e condenado por feminicídio por meio cruel e fraude processual e sentenciado a 19 anos de reclusão, 1 ano e 1 mês e 2 dias de detenção e 28 dias de multa. O caso de Elaine foi analisado por Néias no Informe n.7.


8 de abril de 2019 Cidneia Aparecida Mariano da Costa, 33 anos

A tentativa de feminicídio contra Cidnéia aconteceu no dia 9 de abril de 2019, quando seu ex-companheiro, Emerson Henrique de Souza, a agrediu fisicamente, asfixiou e abandonou em uma estrada rural. Como consequência da agressão, Néia, como é conhecida, ficou tetraplégica e dependente de cuidados 24 horas por dia. Em 04 de fevereiro de 2021, Souza foi julgado pelo crime de tentativa de feminicídio e condenado a 23 anos e 4 meses de reclusão. Todas as agravantes apresentadas na denúncia do Ministério Público foram acatadas, como reincidência, antecedentes criminais e violência doméstica e contra a mulher. Este caso foi analisado por Néias no Informe Número Especial, publicado em 13 de abril de 2022.


20 de abril de 2019 Marli Piraí, 21 anos

Marli Piraí, uma jovem Kaingang com 21 anos de idade, viveu um relacionamento de 04 anos com Ailton Jacinto Camargo, um jovem guarani, à época com 24 anos de idade. A união foi marcada por sucessivas violências e tentativas infrutíferas de Marli para se separar. Na madrugada de 20 de abril de 2019, durante festa do Dia do Índio na Reserva Indígena Apucaraninha, no Município de Tamarana, onde Marli e Ailton eram visitas, Ailton, tomado por ciúmes sob a suspeita de que Marli o teria traído, atacou-a brutalmente com uma pedra, com repetidos golpes na cabeça, até o ponto de produzir fraturas do crânio e exposição da massa encefálica. Marli foi socorrida por familiares e levada ao hospital, tendo ficado em coma até ir a óbito no dia 04 de maio de 2019. Ailton foi levado a julgamento no Tribunal do Júri de Londrina no dia 20 de abril de 2022 respondendo pelas acusações de crime de feminicídio, por motivo torpe e meio cruel. Condenado por todos os crimes da acusação, Ailton foi sentenciado com a pena de 19 anos e 03 meses de reclusão, com cumprimento inicial em regime fechado. O caso de Marli foi analisado por Néias no Informe n.11.


14 de julho de 2019 - Ângela Rodrigues Lopes, 36 anos

Em frente à própria casa, no Jardim Bandeirantes, em Londrina, Ângela sofreu um atentado por parte do ex-marido, Carlos Roberto dos Reis de Oliveira, na presença da filha adolescente do casal. Oliveira a agrediu com chutes, tapas, xingamentos e desferiu oito facadas na ex-esposa, a maior parte delas na região do tórax. Ângela sobreviveu ao ataque. Carlos encontra-se preso desde 31 de outubro de 2019 e vai a júri popular pelo crime no dia 26 de junho de 2021. (Veja Informe n.5)


22 de julho de 2019 Sara Emanuele Silva, 9 anos

O corpo da menina Sara Emanuele Silva, de apenas 9 anos, foi encontrado no meio da mata nos fundos do jardim Abussafe, em Londrina, na manhã de um domingo. Ela estava desaparecida desde o dia anterior após ter saído com o padrasto, Sandro de Jesus Machado, que chegou a registrar Boletim de Ocorrência pelo seu desaparecimento. Com medo de represália da população, que o ameaçava, Machado acabou se entregando confessando o estupro e assassinato da menina. Ele está preso à espera de julgamento.


3 de setembro de 2019 Edneia Francisca de Paula, 53 anos

Edneia foi vítima de tentativa de feminicídio por parte do ex-companheiro, João Aparecido Miranda, com quem esteve casada por 24 anos e teve uma filha. O homem não aceitava o fim do relacionamento e tentou estrangular Edneia em via pública quando esta saia do trabalho. Miranda foi indiciado com as qualificadoras de feminicídio, motivo torpe e meio cruel. Seu julgamento, inicialmente marcado para o dia 8 de abril de 2021, foi adiado em decorrência da pandemia. (Veja Informe n.1)


17 de setembro de 2019 Eunides Dantas da Silva, 79 anos

Eunides Dantas foi encontrada morta dentro de sua casa com perfurações típicas de arma de fogo. Seu marido, Luís Pinto da Silva, de 82 anos, foi preso suspeito de ser o autor do crime. A polícia encontrou em sua posse uma arma calibre 32, compatível com os ferimentos, suja de sangue. Dias após o crime, em 25 de setembro, Pinto foi indiciado por feminicídio e encontra-se sob monitoração eletrônica. Atualmente o processo aguarda o acusado constituir novo defensor.


25 de outubro de 2019 Ingrid Fernanda da Costa, 17 anos

A adolescente Ingrid da Costa foi morta com um tiro na cabeça pelo ex-namorado, Renan Júlio Bueno Fogagnollo, de 24 anos, no conjunto Flores do Campo, zona norte da cidade. Segundo relatos do padrasto à imprensa, ela havia terminado o relacionamento há dois dias em virtude de seguidas agressões sofridas. Fogagnollo, inconformado invadiu a residência onde ela residia com a família e a matou. Ele foi encontrado dias depois na casa de parentes no estado de Santa Catarina e preso. Posteriormente foi indiciado por feminicídio. (Veja Informe n.8)

2018

12 de fevereiro de 2018 Natália Larissa Fernandes, 20 anos

O corpo de Natália Larissa Fernandes foi encontrado na marginal da BR-369, nas proximidades da Vila Marízia, pela própria mãe da jovem. Natália tinha marcas de agressão no tórax e na face e teve o pescoço quebrado por esganadura. Os detalhes da morte não foram conhecidos. Em nome da vítima havia dois boletins de ocorrência por lesão corporal e violência doméstica contra um homem com quem ela havia se relacionado.


1 de março de 2018 Maria Aparecida dos Santos, 35 anos

Maria Aparecida dos Santos foi encontrada sem vida na rua Guararapes, Jardim Higienópolis, próximo a um fundo de vale. Ela teria sido espancada e apresentava vários ferimentos pelo corpo, além de uma sacola envolvendo sua cabeça. De acordo com informações da imprensa, o caso foi investigado pela Delegacia da Mulher por ser considerado um feminicídio e um homem foi preso suspeito pela morte.


26 de março de 2018Simoni Aparecida Brandt Gross, 28 anos

Após acumular conflitos com o marido por alguns dias, Simoni tentava deixar a casa naquela seguda-feira, em um final de dia chuvoso. Temerosa por sua segurança no ato de sair da casa, ela chegou a chamar a Polícia para protegê-la. Ao saber do chamado de Simoni, Vinícius Leonardo Cardoso, seu então marido, com 32 anos de idade à época, reagiu violentamente. Ela saiu correndo da casa para a via pública e, ao correr em piso molhado, Simoni se desequilibrou e caiu, quando, então, Vinícius colocou-se sobre o corpo dela e a golpeou com uma faca. Simoni reagiu tentando se defender dos golpes. O violento ataque à Simoni aconteceu na presença de uma filha do casal, então com 11 anos de idade. As agressões foram interrompidas pela presença de uma vizinha e da mãe e filha de Vinícius. Acusado pelo Ministério Público pelo crime de feminicídio tentado, Vinícius irá a julgamento no Tribunal do Júri, em Londrina, no dia 20/07/2022. Este caso foi analisado por Néias no Informe n.16, disponível na íntegra aqui.


2017

08 de fevereiro de 2017 Ariane Andrade Santana dos Santos, 27 anos

Em 08 de fevereiro de 2017, Ariane foi atacada por Edmeicon, seu marido, dentro do carro, em uma rua escura, após acusações dele de que ela o estaria traindo. Ele tentou esganá-la mais de uma vez e, na primeira delas, Ariane desmaiou. Ao recobrar a consciência, ela tentou se defender das investidas de Edmeicon para esganá-la ou quebrar seu pescoço. Conseguindo escapar do veículo, ela recebeu socorro de rapazes que passavam pela rua em um carro. Ariane sobreviveu às agressões dessa data e Edmeicon irá a júri popular, programado para 18 de agosto de 2022, respondendo pelo crime de tentativa de feminicídio por motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima. Adicionalmente, ele responde pelo crime de ameaça contra Ariane que teria cometido em 24 de outubro de 2016. Este caso foi analisado por Néias no Informe n.18, disponível na íntegra aqui.


13 de março de 2017 – Mariane Ariadne Medeiros de Araújo, 24 anos

Mariane, então com 24 anos de idade, foi brutalmente agredida em casa, por seu então companheiro, na presença de duas filhas do casal, de 01 e 06 anos de idade. Segundo teu relato da época, as agressões aconteceram com ventilador, tijolo, cabo de vassoura, garrafa de vidro, chutes e socos. O acusado, Cristiano Rodrigues Carneiro, deixou-a no local e vizinhas chamaram a polícia e o socorro médico. Com pronto atendimento, Mariane sobreviveu às agressões e Cristiano respondeu criminalmente por acusão de feminicídio tentado por motivo torpe e meio cruel. O julgamento, no Tribunal do Júri de Londrina, foi realizado no dia 19 de maio de 2022. Pelos crimes contra Mariane, Cristiano recebeu a pena de 17 anos, 1 mês e 10 dias de retenção. Entre outros fatores, a presença das duas filhas na cena do crime pesou para o aumento da pena. Pelo crime de lesão corporal contra a filha do casal, Cristiano recebeu a pena de 7 meses e 3 dias de detenção. Este caso foi analisado por Néias no Informe n.13, disponível na íntegra aqui.


30 de junho de 2017 Josiane de Souza, 35 anos

Josiane de Souza foi morta pelo ex-companheiro, Anderson Luiz Viera, tendo sido agredida e afogada em uma poça de água. Conforme relatos divulgados pela imprensa, Josiane teria saído de carro com Viera, com quem teve um relacionamento de 3 anos e meio, mas, ao invés de leva-la ao local prometido, ele teria seguido para um lugar afastado, onde praticou o crime. Julgado em 22 de fevereiro de 2019, Viera foi condenado a 20 anos, 1 mês e 15 dias de prisão.

2015

1° de maio de 2015 Márcia Aparecida dos Santos, 36 anos

O caso aconteceu na zona rural de Tamarana, Comarca de Londrina. Marcia Aparecida foi morta pelo marido, Donizete Alves Pereira, com quem era casada há 20 anos, na frente dos dois filhos do casal, de 9 e 11 anos. O homem arremessou uma roçadeira contra Marcia, que teve ferimentos graves e sangrou até a morte. Pereira foi denunciado pelo Ministério Público por feminicídio com outras qualificadoras. O júri popular do caso está marcado o próximo dia 21 de maio. (Veja Informe n.2)


PESQUISA E ELABORAÇÃO

CECÍLIA FRANÇA

SILVANA MARIANO


Atualização em: 10/08/2022